4 tecnologias que podem ajudar a prevenir doenças

4-tecnologias-podem-prevenir-doencas

A indústria de tecnologia médica vale muito dinheiro em todo o mundo e ela realmente pode ajudar a prevenir diversas doenças. 

Com a pandemia do novo Coronavírus, por exemplo, podemos observar diversas tecnologias que foram essenciais no combate contra a propagação da Covid-19. 

A realização do teste rápido de Covid é um ótimo exemplo a ser citado quando o assunto é o avanço da medicina para combater o vírus. 

Até que a última doença seja curada (e o ferimento final evitado), sempre haverá um impulso para as últimas atualizações em inovação e engenharia de saúde.

A ciência médica deve continuar a diversificar, enquanto examina o progresso da saúde em todo o mundo; isso inclui soluções pioneiras que são mais baratas, mais rápidas, mais eficazes e menos invasivas, para atender a mercados individuais.

Hoje, com tecnologias digitais como reuniões virtuais, aprendizado de máquina, inteligência artificial, big data e muitas outras, tornou-se possível estar mais preparado para quaisquer futuras pandemias ou doenças. 

Neste artigo, vamos cobrir algumas áreas em que a tecnologia digital pode ajudar nessa luta.

Continue a leitura e confira! 

Tecnologias na área da saúde

Aqui está uma lista com algumas das principais áreas em que a tecnologia pode ajudar a área de saúde. 

1. IA e Big Data para modelagem preditiva

Hoje, IA (Inteligência Artificial) e Big Data estão desempenhando um papel muito importante no setor de saúde. 

Para o estudo aprofundado de muitas doenças, modelos preditivos e analíticos de dados baseados em IA podem ser usados ​​por profissionais médicos. Foi usado de forma muito eficiente nos EUA durante o pico da propagação do COVID-19 para prever quantos casos e mortes podem acontecer em dois meses. 

O modelo de previsão ajudou os funcionários do governo a tomar decisões difíceis sobre o fechamento do país para evitar a propagação. 

Foi comprovado que a IA pode ser usada no futuro para previsões mais precisas sobre a disseminação de doenças, causas e tratamentos

IA e Big Data também ajudam os pesquisadores a encontrar testes mais relevantes para que possam procurar possíveis soluções e novas abordagens para controlar a pandemia. 

Várias empresas de pesquisa desenvolveram ferramentas de avaliação de risco baseadas em IA que podem ser usadas para fornecer mais clareza na detecção se um paciente tem uma gripe normal ou está infectado por um vírus grave.

Uma plataforma de Inteligência Artificial de monitoramento de saúde com base em Toronto (Canadá), Bluedot, é muito útil na detecção da disseminação de COVID-19. 

Inicialmente, Bluedot detectou com precisão o caminho do vírus de Wuhan a Tóquio. Bluedot usa análises de big data para detectar as doenças mais perigosas do mundo.

2. Plataformas virtuais de saúde

Consultas virtuais acontecem entre um paciente e seu médico por meio de tecnologias de comunicação. 

Um paciente pode encontrar seu médico de qualquer lugar por meio de conectividade de vídeo e áudio. Portanto, os sistemas virtuais de saúde desempenham um papel crucial durante as pandemias. 

Durante o surto de COVID-19, as pessoas estiveram em quarentena estrita e os profissionais de saúde corriam maior risco de infecção. 

Com os médicos e o sistema de saúde adotando plataformas virtuais de saúde, eles estão evitando o contato físico entre o paciente e os médicos e efetivamente retardando a transmissão da doença. 

Também é muito útil que os pacientes regulares recebam cuidados dessa forma – especialmente para os idosos que estão em maior risco durante a pandemia. 

3. Móvel e Big Data para mapear a propagação e rastreamento

Vimos durante o COVID-19 que as pessoas estão começando a relatar seus sintomas por meio de aplicativos móveis. 

Isso é muito útil, pois nos permitiria capturar não apenas seus sintomas, mas também a localização GPS da pessoa. Ao coletar, organizar e analisar esses dados, os pesquisadores podem determinar o status atual da propagação.

Os mapas de rastreamento facilitam a visualização e a detecção de pontos críticos e quaisquer padrões na propagação. A OMS disse repetidamente que – além de encontrar, testar, isolar e tratar todos os pacientes positivos – é necessário encontrar todos os contatos de pacientes positivos para impedir a propagação do vírus. 

A tecnologia móvel pode ser usada como uma ferramenta poderosa para gerenciar todas essas tarefas por meio de aplicativos. Mas a principal questão é sobre a privacidade dos dados do usuário. 

Os desenvolvedores de aplicativos agora estão mais focados em mecanismos que protegem os dados do usuário em dispositivos móveis, para ganhar a confiança das pessoas. 

4. Esterilizador de ar.

Os cheiros desagradáveis ​​costumam ser o primeiro indicador de um perigo potencial para a higiene. 

Como não podemos detectar microorganismos a olho nu, o cheiro é o alarme da natureza; mas isso não o torna bem-vindo ou agradável para os que estão nas proximidades.

Em vez de mascarar um cheiro desagradável, é melhor se livrar da fonte – e é aí que entra um esterilizador de ar.

Frequentemente colocados em áreas como banheiros, esterilizadores de ar combinam tecnologia UV, íons negativos, fitoplasma e ozônio para matar bactérias, vírus, mofo, fungos e outras impurezas; tudo isso contribui para odores desagradáveis ​​e doenças potenciais.

Conclusão 

O mundo inteiro foi afetado pela pandemia COVID-19, um vírus que matou muitas pessoas. Durante essa situação, todos nós percebemos o valor das tecnologias digitais. 

Devemos nos esforçar para melhorar a tecnologia digital e construir soluções que possam nos ajudar a enfrentar futuras pandemias semelhantes e outros tipos de doenças. 

Isso requer a adoção de sistemas digitais pelas massas e também inovação e apoio de grandes empresas e governos. 

Esperamos que tenha gostado do conteúdo e que tenha compreendido a importância da tecnologia na área da saúde e como ela, de fato, pode ajudar a prevenir doenças. 

Gostou? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no linkedin